Ensaio sobre colher flores

Vivi um dia um grande conflito entre colher as flores ou deixá-las no jardim. Flores colhidas não são flores vivas? Será que não? Pois no jarro de água elas ainda falam comigo.

As flores gostam de atenção, como se sua existência de beleza se realizasse ao serem admiradas. E quando enfeitam casas, elas assumem corpo de alguém da família. Da terra em que vivem as flores têm consciência da sua vida passageira, e se alegram quando podem ir além vivendo outras paixões. Certo dia uma flor me contou um segredo. Disse que entre as flores existe uma competição em que vitoriosas são aquelas flores colhidas por um gesto de amor.

Elas querem estar em outros lugares e dividir sua beleza em lugares que o jardim não consegue chegar. As flores, mais do que os homens, entendem que murchar é parte de um processo divino, e que o esplendor da vida de uma flor é murchar na condição de estar motivando o coração de alguém a encontrar beleza no mundo.

Flores são seres humildes. Elas sabem da beleza que possuem e não querem ser mais do que isso. Flores são seres fortes. Uma pétala tem a delicadeza de uma lágrima, e a força de um trovão. Elas podem conquistar com um só traço de sorriso ou representarem em si mesmas a dor e o cheiro da despedida.

Flores são generosas. Elas não querem ser jardim. Se contentam com a glória de ser flor, de existir por pouco, e nessa mínima existência, existir muito. Flores são felizes e esperam ser colhidas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s